Loading...Loading...
32

O problema com Guerras

By Lucas

Last update at 04/09/2021

No dia 26/02/2021, o atual presidente dos Estados Unidos (Joe Bidden) bombardeou uma suposta milícia terrorista na Síria.
Muitas pessoas se surpreenderam com toda essa situação… Mas a surpresa mesmo era, “como ele demorou tanto tempo?”
Talvez você não esteja entendendo mas… Os presidentes dos Estados Unidos têm o incrível hábito de bombardear cidades, hospitais, pessoas e assim por diante, utilizando a desculpa de serem células terroristas e etc...
Um exemplo disso foi Barack Obama que, em 2015, explodiu um hospital no Afeganistão…
Ah, é importante ressaltar que este mesmo homem, tem um nobel da paz em sua estante.
Outra coisa incrível que deveríamos pontuar é que, na prática, um dos presidentes que mais contribuíram para a paz mundial, foi o Donald Trump… É, exatamente ele… Este é o nível dos EUA.
Então, aproveitando o gancho que o Joe Bidden nos deu, em sua jornada de busca do Nobel da paz, vamos falar um pouco sobre guerras.

O mito do desenvolvimento tecnológico através da Guerra:

Em todos os aspectos possíveis, guerras são de extrema idiotice.
Existe a famosa falácia de um suposto desenvolvimento produtivo tecnológico através da Guerra, entretanto a única coisa que consigo escutar quando alguém fala isso é “nós vamos criar coisas, para destruir mais coisas.”
Basicamente, isso resume toda e qualquer guerra… Em outras palavras, não existe ganho produtivo em guerras… Como diria Fréderic Bastiat “— Quebrar, estragar, desperdiçar, não é encorajar o trabalho; ou mais brevemente: destruição não é lucro.”
Então, economicamente falando, guerras não trazem nenhum tipo de benefício econômico já que tudo que produzem destroem pelo menos o dobro das coisas que existiam antes.
Isso significa que se não tivéssemos tido a 1 e a 2 Guerra mundial, poderíamos ter tudo que temos hoje e o que foi destruído na guerra…

Os problemas sociais das Guerras

“O desejo de salvar a humanidade é quase sempre um disfarce que oculta a vontade de governá-la.”
— Henry Louis Mencken
Outro ponto que adoro lembrar é que quando guerras são declaradas, normalmente o ato é feito por supostos representantes da sociedade.
Mas quem verdadeiramente paga por todo o showzinho deles são as pessoas… Muitas vezes com a própria vida.
Quando um país entra em guerra, uma das primeiras jogadas políticas é transformar seu inimigo nos piores seres rastejantes no planeta Terra… É quase como o que ocorre nas eleições, onde os dois lados estão constantemente falando que o partido inimigo é literalmente Hitler andando na terra ou Stalin, ambos, seres humanos desprezíveis.
A explicação para querer transformar seu inimigo nos piores seres humanos do planeta é a busca de uma aceitação por parte das pessoas que precisam lutar nesta guerra. É conseguir aliados para matar outro ser humano que diverge da sua opinião, que não aceita o que você quer impor para ele. É levantar um exército convicto que essa luta é algo aceitável, necessária, e que levará a humanidade como um todo para a glória…
É literalmente uma busca insana pelo suposto benefício do coletivo mascarado com palavras nacionalistas como “você precisa defender seu país”... “Precisa defender seu povo”...
Exemplo e herança disso é toda a valorização e louvor dados ao ato de “sacrificar sua vida em prol dos outros” …
Esse conceito de “sacrificar sua vida em prol dos outros, da nação ou do povo” está dizendo que cada ser humano é um meio para os fins e os bens dos outros… E isso abre precedentes para justificar diversos genocídios, assassinatos e massacres que ocorreram nos últimos séculos.
Tudo isso leva todas as pessoas daquele lugar (que em momento algum concordaram em fazer parte da organização e/ou quiseram guerrear contra outros seres humanos) a participarem da Guerra, a serem obrigados a serem soldados, a serem afetados pela destruição, pobreza e/ou qualquer outro efeito secundário que a Guerra gera no planeta.

Outro ponto importante

“O único problema real com a humanidade é que as pessoas procuram impor sua vontade aos outros.”
— Free Private Cities
A frase acima reflete o que muitos estão constantemente tentando fazer… Impor suas ideias através da força.
Existem pessoas que estão constantemente querendo obrigar as outras pessoas a seguirem suas respectivas crenças e opiniões… Sempre dizendo que são elas quem sabem o que você precisa ou deixa de precisar.
Atualmente há poucas chances de uma 3º guerra mundial, já que a maioria dos países que gostam desse tipo de coisa estão com uma dívida gigantesca… Em outras palavras: eles não têm como pagar por uma guerra, afinal de contas existe um custo econômico e social elevado.
Não entenda isso como algo impossível de acontecer… Porém, caso aconteça não seria bem recebido pela população, afinal de contas destruiria a economia do país e automaticamente faria com que as pessoas sofressem…
Mesmo assim, países como os Estados Unidos possuem “micro guerras” contra países do oriente médio… Eles possuem uma busca incessante por serem a polícia do planeta Terra.
Gastam trilhões de dólares na indústria de armamentos e exército… Seja o partido da esquerda ou da direita que esteja no poder, ambos costumam concordar em bombardear lugares no planeta Terra…

O verdadeiro inimigo

Como muito bem dito em Jogos Vorazes, você deve lembrar quem é o verdadeiro inimigo… Ao contrário do que é pintado por eles, tente se lembrar que você não é o maldito meio que pode ser usado para chegar a um fim.
Stalin tinha uma máxima que dizia “uma morte é uma tragédia, um milhão de mortes é uma estatística.”... Não, um milhão de mortes equivale a um milhão de indivíduos que foram obrigados a passar por coisas horríveis em detrimento do showzinho propagado em prol do suposto coletivo.
Um milhão de indivíduos que não puderam escolher o que de fato queriam para suas vidas e sofreram com as consequências disso.

Conclusão:

Como diria a filósofa Ayn Rand, “A menor minoria na Terra é o indivíduo. Aqueles que negam os direitos individuais não podem se dizer defensores das minorias”.
Escrito por: Lucas Garcia
Me siga no Instagram: @ylucasgarcia