1248, por Captable
1248, por Captable
🟣 É errado buscar lucro?
0
0

🟣 É errado buscar lucro?

Elon Musk processa OpenAI por buscar lucro. Mais: US$ 167 milhões para startups brasileiras e uma startup que levantou R$ 125 milhões para explorar o mercado brasileiro.

1248
6 min
0
0
Email image

Edição 97

Elon Musk processa OpenAI por buscar lucro.

Mais: US$ 167 milhões para startups brasileiras e uma startup que levantou R$ 125 milhões para explorar o mercado brasileiro.

Elon Musk não quer que OpenAI busque lucro

Email image

Elon Musk, o visionário fundador da Tesla, está atualmente envolvido em uma disputa legal com a OpenAI, a organização de pesquisa em inteligência artificial. 

Ele alega que a OpenAI violou acordos contratuais ao buscar lucros após estabelecer parcerias com a Microsoft e receber um grande investimento.

Segundo Musk, ele foi persuadido a financiar a OpenAI em 2015 com a promessa de que seria uma organização sem fins lucrativos dedicada a enfrentar desafios de IA. 

No entanto, ele alega que a empresa mudou para um modelo com fins lucrativos, focado na comercialização de suas pesquisas.

A OpenAI reconhece que introduziu uma nova vertente comercial, ao mesmo tempo em que mantém seu compromisso com a pesquisa de IA que beneficia a humanidade. Musk deixou o conselho da OpenAI em 2018 e se recusou a participar do braço com fins lucrativos da empresa.

Curiosamente, no ano passado, Musk lançou seu próprio chatbot concorrente, o Grok, através da rede social X. Este desenvolvimento certamente adiciona uma camada interessante à disputa entre Musk e a OpenAI.

O que a briga de gigantes significa para IA?

A situação parece ser um exemplo clássico dos desafios enfrentados quando ideologias iniciais encontram a realidade do mercado. Musk, conhecido por suas ambições em transformar indústrias inteiras, pode estar vendo isso como uma traição aos princípios que inicialmente o levaram a investir na OpenAI. 

Por outro lado, a OpenAI pode argumentar que, para alcançar seus objetivos de desenvolver inteligência artificial geral (AGI) de forma segura e benéfica para a humanidade, é necessário adotar uma abordagem que inclua parcerias comerciais.

A batalha legal entre Musk e a OpenAI destaca a complexidade das relações no mundo da tecnologia, onde o dinheiro, os interesses comerciais e as ambições pessoais frequentemente colidem com as visões altruístas e os ideais iniciais.

Enquanto isso, os observadores da indústria estão ansiosos para ver como essa disputa se desenrolará e qual será o impacto no futuro da pesquisa em inteligência artificial.

Independentemente do resultado, é provável que a disputa gere debates significativos sobre a ética e a governança da inteligência artificial e o papel das empresas de tecnologia na formação do futuro da humanidade. Enquanto Elon Musk e a OpenAI continuam sua batalha nos tribunais, o mundo da tecnologia permanece atento, aguardando os desdobramentos.

Startups brasileiras captam US$ 167 milhões em fevereiro

Email image

O início do ano trouxe um otimismo palpável para as startups brasileiras, com um impressionante montante de US$ 305 milhões em investimentos registrados em janeiro.

No entanto, fevereiro apresentou uma reviravolta inesperada, com o volume de investimentos caindo para US$ 167 milhões, marcando uma queda de 45% em relação ao mês anterior. Mas nem tudo são más notícias quando observamos o panorama latino-americano.

O relatório mensal da Sling Hub revelou que, apesar do tropeço do Brasil, houve uma melhora modesta nas coisas para as startups da América Latina como um todo. 

As rodadas de investimento totalizaram US$ 482 milhões em fevereiro, representando um aumento de 10% em relação aos US$ 438 milhões registrados em janeiro.

Embora o Brasil tenha liderado em número de rodadas, com 48 aportes, os valores dos cheques foram menores, resultando em um aumento de 60% mês a mês.

Na comparação anual, crescimento

Olhando para o cenário de investimentos ano a ano, os números são bastante encorajadores tanto para o Brasil quanto para toda a região latino-americana. 

Em comparação com fevereiro de 2023, o Brasil viu um crescimento de 16%, enquanto a América Latina como um todo apresentou um impressionante aumento de 63%, sinalizando uma tendência positiva de desenvolvimento e atratividade para investidores.

Enquanto o Brasil enfrentava um declínio nos investimentos, o México emergia como o protagonista do cenário latino-americano em fevereiro, captando um total de US$ 194 milhões. 

Os destaques no Brasil incluíram a Incognia, que levantou US$ 31 milhões, além de empresas como Tembici e Traive. Também vale mencionar a rodada seed da Cogtive, que garantiu R$ 10 milhões com a Indicator Capital. 

E enquanto as fintechs continuam a ser o grande chamariz para os investidores, com um crescimento de 183% no ano a ano, outros setores também estão ganhando destaque, como cleantech, com um impressionante crescimento de 646%, e segurança, com 39% de aumento no mesmo período. 

Este panorama diversificado mostra a vitalidade e a variedade do ecossistema de startups latino-americanas em evolução.

R$ 125 milhões para uma startup aterrissar no Brasil

Email image

A fintech colombiana Yuno está avançando a passos largos em direção ao mercado brasileiro. 

Nos últimos doze meses, a empresa anunciou a contratação de um country manager e fortaleceu seu quadro de conselheiros para impulsionar sua presença no país. 

Agora, a startup de pagamentos está dando mais um passo decisivo com uma rodada de investimento de US$ 25 milhões (cerca de R$ 125 milhões).

A série A foi liderada por um grupo de investidores, incluindo nomes conhecidos como DST Global Partners, Andreessen Horowitz (a16z), Tiger Global, Kaszek Ventures e Monashees. 

Segundo a Yuno, o montante ajudará a empresa a fortalecer suas operações no Brasil, na América Latina e na América do Norte, além de expandir para a Europa, Ásia e África.

Em comunicado, Nathan Marion, gerente geral da Yuno no Brasil, expressou otimismo em relação ao mercado brasileiro, destacando-o como um dos principais para a empresa. 

Marion, um executivo experiente com passagens por empresas renomadas como VTEX e Adyen, ingressou na Yuno em junho do ano passado.

Marion explicou que:

"A operação da Yuno no Brasil tem crescido rapidamente e alcançado resultados impressionantes para nossos clientes. Com este investimento, continuaremos investindo em nosso produto e equipe local, levando a infraestrutura da Yuno para mais empresas desfrutarem de resultados incríveis".

Além disso, em outubro do ano passado, a fintech anunciou uma parceria estratégica com a VTEX, tornando-se sua provedora oficial de soluções de pagamento para a América Latina. 

Esta integração oferece à plataforma de e-commerce acesso a mais de 100 provedores e métodos de pagamento na região através de uma única conexão.

Este novo investimento chega dois anos após a Yuno captar US$ 10 milhões em uma rodada pré-seed liderada por Andreessen Horowitz (a16z), Monashees e Kaszek. 

Fundada dentro da chamada "Rappi Mafia", a empresa atende clientes como Rappi, McDonald's, Avianca e outros, fornecendo soluções de integração de pagamento em suas plataformas. 

A Yuno demonstra ambição e confiança em seu futuro, recebendo o apoio renovado de seus investidores neste novo capítulo de seu crescimento.

Compartilhar conteúdo

Informativa, inteligente, exponencial.

Selecionamos as principais notícias do mercado. Trazemos editoriais, análises, entrevistas e materiais educativos. Fazemos você embarcar nesse ecossistema que pode te trazer retornos inimagináveis.

O nosso e-mail chega na sua caixa de entrada toda sexta-feira, às 12h48.