Loading...Loading...
0

O "ABECEDÁRIO MÉDICO"

By Paulo Marcelo Braga

Last update 2 weeks ago4 Min.

A Medicina é envolvente e tem uma sina realmente imprevisível. Quem a exerce humildemente e não é inflexível, enriquece. Geralmente, quem é corruptível empobrece. A riqueza material não é diretamente proporcional à pobreza material. Há profissionais contemplados, pelas riquezas materiais, e infortunados, pelas pobrezas espirituais.Quem é amigo do estudo abnegado tem aprendido um bocado, até com quem o tem perseguido e invejado. A arte de um profissional, bem preparado, num debate, será triunfal contra o exaltado mal de quem tem pensado ser o “tal (bam, bam, bam.) Maioral” . Quem tem trabalhado, em qualquer hospital, no afã de ser “endeusado” , necessita de um divã, para vir a ser curado da esquisita “síndrome do eu sei tudo” , tão comum em quem é infeliz e se irrita com a lei do estudo de quem diz: Para furar o escudo da “intelectualidade cética” , é só usar o poder da humildade médica!
Bem-aventurado, solidário, ético e feliz é quem tem estudado como convém e não tem olhado com o nariz empinado para ninguém. Através da humildade, um profissional pode evitar um revés e / ou superar uma fatalidade, em qualquer hospital. A arrogância de quem pensa ter “sabedoria exagerada” é uma insegurança imensa, que seria superada, com dignidade concisa, se a confiança fosse buscada, com serenidade, por quem só idealiza a boçalidade. A lambança precisa vir a ser sublimada, pelo estudo, com uma boa dose de humildade recomendada, contudo, nem sempre bem praticada ... Quem imagina saber de tudo, sobre Medicina, não sabe de nada,permanece trombudo,com a insegurança disfarçada e tem um “escudo” , na lambança usada, que pode ser modificada ou não.Tudo é uma questão de educação, gerada no seio familiar, que nenhuma universidade (pode  ensinar).     
Convém dizer que:QUEM TEM dificuldade de Conviver com (  o piniões ) divergentes, Não terá CAPACIDADE de Exercer a Medicina, Nem de se Envolver em ( DISCUSSÕES abrangentes), MUITAS vezes, de ( conclusões  inconsistentes) ...   Quem pensa que uma boçalidade não refuta a sabedoria almejada, vai duvidar que, na verdade, uma conduta mais apropriada seria a humildade; afinal, ela não insulta uma boa parceria, entre um profissional solidário e ético, com quem se acha o “maioral” e não tem estudado o que o “abecedário médico”  tem recomendado, com serenidade. Não ler o enredo da boçalidade é o segredo para exercer a medicina, com (tranquilidade) e sem medo ...Se uma pose trombuda dos fariseus fosse o ( clôse )de quem estuda, seria um “Deus nos acuda”...Felizmente, só uma minoria tem usado o estilo deprimente de dizer “isso e aquilo”, e tem abusado do poder da maledicência, sem saber o que fazer numa situação de emergência, ao se calar, com omissão, e cometer o ato falho de não cobrar uma boa condição de trabalho,para, por exemplo, tomar a precaução, ( e a) atitude, de ventilar uma porção de gente, que está sem ar, no templo de uma instituição de saúde deprimente.Porém, isso é uma outra história ... Para encerrar este “abecedário médico” , convém pedir a quem não ser omisso para mudar a oratória da pseudo-sabedoria de qualquer antipático falsário hipotético e assumir o compromisso prático de enquadrar, sem medo, uma diretoria hospitalar que não deveria cobrar o que não pode oferecer a quem está a trabalhar, sem receber o que merece; todavia, por aprender, não empobrece, como uma confraria do “poder” que se aborrece com quem a repreender, quando devia agradecer a quem trabalha, para tratar dos anseios populares, com alegria e prazer, apesar dos aperreios e / ou dos pesares ...
Final da leitura do artigo rimado, que tem a autoria de Paulo Marcelo Braga e foi publicado no (JORNAL DO DIA), em 21/07/2004, e, também, no Site Recanto das Letras, em 24/04/2007. Gratidão pela audição, tá legal? Até a próxima narração virtual. Tchau.